As duas medalhas do vôlei nos Jogos Olímpicos de Londres – ouro no feminino e prata no masculino – camuflam uma triste realidade.

É óbvio que as conquistas dos últimos anos nos rotulam como “o país do voleibol” e, até certo ponto, com razão. Porém, a falta de investimento, presente no cotidiano da maioria dos atletas que atuam por aqui, não aparece nas quadras de Bernardinho, Zé Roberto, Ary Graça e companhia.

Quantos atletas desistem do esporte por falta de incentivo? Quantos abandonam as quadras por ter que ajudar no sustento da família? Quantos esquecem a bola porque ela, a bola, não existe?

Nesta quarta-feira, o globoesporte.com traz uma reportagem com as meninas da equipe de Araraquara, que se propuseram a fazer fotos sensuais com um único objetivo: pagar a inscrição da SuperLiga (leia a reportagem). Esqueça a vaidade, o glamour e os contratos publicitários. Elas trocariam as poses e as horas gastas no estúdio fotográfico por alguns minutos a mais de saque e recepção.

Infelizmente, essa é a realidade. Atletas precisam jogar e se jogar por amor ao esporte.

* O vôlei é apenas uma figura de linguagem. Todas as modalidades padecem do mesmo mal.

Anúncios